sexta-feira, 10 de maio de 2013

CALO-ME…

Quando eu me calo
No passar das horas mortas
De um tempo sem tempo
Abandono-me no ondular da seara
E no correr da brisa no rosto!
Mas, por vezes eu calo-me
Quando a alma faz silencio
Calo como uma árvore que se curva
Ante a inevitabilidade do inverno
Calo no silêncio inútil do cansaço
E do oco das palavras
Que não valem a pena serem ditas
Calo-me no silêncio da contemplação
Olhando a natureza que envolve e esmaga
E às vezes quando me calo
No silêncio dos silêncios
Na ausência de coisa nenhuma
A vida fica suspensa
E nesse silêncio inerte fico à espera do possível…
Do fazer acontecer
Porque não me quero voltar a calar!

5 comentários:

  1. Escutar o barulho do silêncio é das coisas que mais aprecio !

    Lindo poema.
    E onde foste buscar essa pintura tão policromada e tão cheia de belos quadrados ?

    Um beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

      Eliminar
    2. OLá João

      Grata pelo teu comentário..:-)
      Quanto à pintura, é uma das muitas que faço atraves do paint.
      Beijinho

      Eliminar
  2. Sinceramente, para mim, o poema é complicado. Faz-me lembrar uma "desconstrução", seja lá isso o que for.
    Direi que vai bem o poema com o desenho, o que não admira sendo a artista a mesma.
    Bjo.

    ResponderEliminar
  3. Descontrução para uma construção...ou construção para uma desconstrução...seja lá isso o que for, mas é uma arte em que tu és eximio...:))))
    Um beijo embrulhado num sorriso..:)))

    ResponderEliminar